Futebol e política: historicamente, efeito eleitoral da Copa do Mundo nas eleições no Brasil é nulo

Ao contrário do que diz o senso comum, brasileiro separa as duas coisas na hora do voto

O uso político do esporte é bastante conhecido ao longo da história. Desde as Olimpíadas gregas, mas principalmente na era moderna. Nesses anos recentes, não foram raras as circunstâncias em que grandes eventos esportivos serviram de propaganda para o regime do país anfitrião. Assim foi, por exemplo, o caso das Olimpíadas de Berlin, em 1936, de Moscou, em 1980, e de Los Angeles, em 1984. No caso da Copa do Mundo, podemos mencionar a Copa da Argentina, de 1978, cujo regime era uma ditadura na época, e a própria Copa de 1982, na Espanha: o país queria ter sediado o evento em 1974, ainda sob o regime franquista (1939-1976). A história da relação entre esporte e política é longa e complexa, e eu a deixo com os especialistas.

Chegamos em 2014 no Brasil. Nos meses que anteciparam o evento, os opositores do governo carregaram a artilharia contra o evento: diziam que haveria caos aéreo, haveria epidemia de dengue de proporções bíblicas, e um apagão era certo (como dito aqui, aqui e aqui). No desespero, houve até quem organizasse evento no Facebook para dar uma forcinha e criar um blackoutDiziam que os estádios só ficariam prontos em 2038, que as obras de mobilidade recém-inauguradas criariam o caos nas cidades; martelaram sobre a corrupção, sobre o gasto público em estádios. Chegou-se até a dizer que o dinheiro público em estádio era maior que o gasto público com Saúde e Educação SOMADOS e NOS ÚLTIMOS QUATRO ANOS (“fato” reproduzido também aqui). Sim, minha gente, não sobrou para ninguém. Resultado desse clima todo foi um profundo pessimismo que se instalou antes da Copa, e que serviu de pano de fundo para as Manifestações de Junho.

Já o governo abdicou do debate político, só entrando “pra valer” na disputa a poucos meses do início do evento, talvez apostando na “corrente pra frente” e temendo perder a disputa diante de alguns argumentos bastante convincentes dos críticos.

No fim, teve Copa. Logo vieram as vaias e xingamentos à presidente. E logo essas vaias sumiram. Poderão voltar na final. O PSDB, que entrou com recurso no Supremo Tribunal Federal para permitir manifestações políticas nos estádios durante a Copa, hoje reclama, por meio de seu líder e candidato à Presidência, Aécio Neves, que Dilma confunde Copa com eleição, e também  do uso político que Dilma estaria fazendo do evento, e tende a moderar suas críticas.

Isso porque, pese seus pequenos problemas, a Copa tem sido um sucesso, dentro e fora de campo. A Copa, que, esperavam os opositores, poderia decretar uma humilhante derrota de Dilma, agora, dizem seus apoiadores, seria o que a consagraria ainda no 1º turno. O ex-presidente FHC hoje se apressou em dizer que um eventual título do Brasil não impediria derrota de Dilma. A declaração é feita sobre esse Fla-Flu eleitoral que já está posto: uma vitória do Brasil reelegeria Dilma; uma eliminação levaria invariavelmente a uma derrota fragorosa. Será mesmo?

Não. Vamos analisar o que aconteceu os últimos 16, depois de aprovada a regra da reeleição. As eleições sempre coincidiram com o ano de Copa. Quais foram os resultados dos dois eventos em cada ano? Vejamos:

Desempenho do Brasil na Copa vs resultados nas eleições

A tabela acima é um balde de água fria tanto para opositores quanto para governistas: aconteceu de tudo nas últimas quatro eleições (e quatro Copas).

Em 1998, no que foi talvez a maior derrota do Brasil desde 1950, o candidato da situação, o próprio presidente FHC, foi reeleito – e no 1º turno. Em 2002, diante de uma crise realmente bastante forte (após uma sequência de uma crise financeira e uma crise energética), quem venceu foi o candidato de oposição, apesar de o Brasil ter se sagrado pentacampeão. Em 2006, o Brasil passava por um momento econômico positivo, com três anos seguidos de crescimento moderado, baixa inflação, queda do desemprego, embora o momento político fosse conturbado e o Brasil tivesse sido eliminado ainda nas quartas de maneira ridícula e decepcionante contra a França. Por fim, em 2010, a eliminação já nas quartas, contra a Holanda, de maneira desastrosa, veio no tempo em que o lulismo estava no auge, foi o ano de recuperação, o ano do “pibão”, com desemprego baixo, inflação sob controle: no fim, o resultado dos campos ficou para trás e a então desconhecida Dilma Rousseff foi eleita.

Logo, pode-se concluir que Copa não afeta o resultado das urnas.

“Mas e na corrida eleitoral? Certamente afeta a intenção de voto naqueles meses, no curto prazo, não?”

Então… não.

No quadro abaixo, vemos que mesmo quando o Brasil perde, o candidato da situação sobe nas pesquisas (FHC em 1998 e Dilma em 2010), ou quando o Brasil ganhou, o candidato da situação pode cair (Serra em 2002). Ou pode não acontecer nada, como com Lula em 2006.

Datafolha antes e depois da Copa

Conclusão: Essas múltiplas combinações indicam a ausência até mesmo de correlação. Impossível, portanto, encontrar qualquer nexo causal entre resultado do Brasil na Copa – resultado nas eleições.

Claro, o fato de a Copa ser aqui tem seu peso, faz alguma diferença. Mas meu palpite é que o sucesso da Copa (dentro e fora do campo) serviu apenas para “limpar” a opinião pública da depressão, do derrotismo e do catastrofismo (e, em menor medida, da negação da política). Isto é, o clima de festa deste evento exitoso apenas neutralizou o pessimismo exacerbado, sem, no entanto, ter gerado uma onda de otimismo.

Isso não é positivo apenas para Dilma, mas para todos os candidatos. E, ao contrário do que diz o senso comum, a realização da Copa vai ajudar a melhorar o nível do debate que teremos nas eleições.

Anúncios

4 Comentários

Arquivado em Uncategorized

4 Respostas para “Futebol e política: historicamente, efeito eleitoral da Copa do Mundo nas eleições no Brasil é nulo

  1. Glauco Peres da Silva

    Na verdade, o que os dados aí sugerem é que a relação é inversa ao esperado, não?: nos anos em que a seleção vai mal, a situação vence; no ano em que é campeã, a oposição vence.

    • Olá, Glauco. Obrigado pelo comentário. Não, não parece ter qualquer relação. Em 2010, a Seleção caiu nas quartas e a situação (Dilma) venceu. Se pegássemos 1994, o Brasil venceu e a situação (FHC) venceu. Há todas as combinações possíveis nos últimos 20 anos. Não há padrão ou correlação… Veremos o efeito de uma Copa sediada AQUI. Mas não acredito em grande influência, com goleada e tudo.

      PS: O post foi escrito um dia antes do jogo da fatídica goleada.

  2. Pingback: Quais são os usos políticos da Copa do Mundo? | Entrementes

  3. Pingback: Com efeito-Copa e efeito-vexame “precificados”, cenário de ponto de partida é favorável a Dilma | Novas Cartas Persas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s